Filmes

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

terça-feira, 3 de abril de 2007

A mão do diabo

Título original: Frailty
Ano de lançamento: 2001
País: USA / Alemanha / Itália
Direção: Bill Paxton
IMDb

Elenco:
Matthew McConaughey - Fenton Meiks
Powers Boothe - Agente do FBI Wesley Doyle
Bill Paxton - Pai Meiks
Matt O'Leary - Jovem Fenton
Jeremy Sumpter - Jovem Adam
Levi Kreis - Fenton Meiks


Sinopse:
Dirigido e estrelado por Bill Paxton, A mão do diabo merece o mínimo destaque dentro do gênero por dar um enfoque mais do que interessante ao já batido estilo “serial killer”.

No Texas, uma série de homicídios vem mobilizando o FBI na busca do assassino, que se auto-intitula “Mão de Deus”. Em meio as investigações, um agente do FBI é procurado por um homem que alega conhecer o responsável pelos crimes.

Depois de um breve momento de ceticismo, o agente Wesley Doyle concorda em ouvir o que o rapaz, que se apresenta como Fenton Meiks, tem a dizer. Segundo ele, o assassino é seu irmão mais novo – Adam Meiks – que teria sido levado pelo pai a acreditar que foi imbuído de uma missão divina: matar demônios que ocupam corpos humanos.

Dessa forma, 80% do filme é contado em flashbacks, expondo a infância dos dois irmãos e mostrando como o pai foi aos poucos transformando uma pacata rotina do interior num banho de sangue.

O enredo se concentra na visão do garoto mais velho, que acredita que o pai viúvo teve um surto momentâneo quando o acordou certa noite para dar a notícia de que teve uma visão divina. Mas é quando esse tipo de revelação se torna freqüente que o jovem Fenton passa a se preocupar, não só pela sanidade do pai, como também pela do irmão mais novo, que encara tudo com muita fé e entusiasmo.

E para confirmação de seus medos, logo a loucura do pai se concretiza numa série de assassinatos cometidos em frente as crianças, que também são obrigadas a auxiliar no seqüestro das vítimas.

Quando Fenton se convence de que a situação não poderia ser pior, o pai começa a reagir a sua obstinada oposição em participar daquilo, dizendo que lhe foi revelado que seu filho mais velho é também um demônio e transformando a vida do menino num inferno.

A angústia do garoto frente a tal insanidade é exposta de forma tão eficiente que o final revelador se torna realmente surpreendente. É um balde de água fria em tudo o que foi construído até então.

É um tanto admirável que Bill Paxton tenha conseguido criar uma atmosfera tão agradavelmente tensa neste que é apenas seu segundo trabalho como diretor. E ainda que possa ser visto em um episódio da conhecida série de horror Tales from the Crypt (1989-1996), sua experiência como ator também é pouco freqüente dentro do gênero, tendo participado de algumas produções não muito expressivas como Embalsamado (Mortuary, 1983), Quando chega a escuridão (Near dark, 1987), Morte cerebral (Brain dead, 1990) e Psicose mortal (The vagrant, 1992).

Antes disso, Bill Paxton é mais conhecido pela sua atuação em grandes produções hollywoodianas do cacife de Apollo 13, Titanic e Twister, ou filmes de ação como U-571 e Limite vertical.

Matthew McConaughey, por seu turno, que interpreta aqui o adulto Fenton de forma bastante plausível, esteve em O massacre da serra elétrica 4, mas sua filmografia é repleta de toda a sorte de comédias românticas no nível de O casamento dos meus sonhos e Como perder um homem em 10 dias, onde ele sempre termina com alguma beldade como Kate Hudson ou Jennifer Lopez. E muito embora tenha atuado no excelente Contato, um dos poucos filmes que valem a pena em sua carreira.

Mas os suspiros vão mesmo para Matt O'Leary, o garoto que interpreta o jovem Fenton e é responsável por boa parte da ansiedade que o filme tenta passar. Apesar de ser seu terceiro trabalho, ele já tinha tido a oportunidade de atuar no papel de “criança-indefesa-num-beco-sem-saída” quando fez o enteado de um malvadão Vince Vaughn em Inimigo em casa, um filme que a Globo não cansa de repetir.

Pra finalizar, a impressão que fica é que A mão do diabo não se encaixa muito bem no gênero, se utilizando sempre de um horror muito sutil e com mortes em off screen, mas que ganha pontos pelo interessante argumento, plausíveis atuações e suspense bem executado.

Conceito: b