Filmes

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

segunda-feira, 6 de novembro de 2006

Rose red – A casa adormecida

Título original: Rose red
Ano de lançamento: 2002
País: USA
Direção: Craig R. Baxley
IMDb

Elenco:
Nancy Travis - Prof. Joyce Reardon
Matt Keeslar - Steve Rimbauer
Kimberly J. Brown - Annie Wheaton
David Dukes - Professor Carl Miller
Judith Ivey - Cathy Kramer
Melanie Lynskey - Rachel 'Sister' Wheaton
Matt Ross - Emery Waterman
Julian Sands - Nick Hardaway
Kevin Tighe - Victor Kandinsky
Julia Campbell - Ellen Rimbauer
Emily Deschanel - Pam Asbury
Laura Kenny - Mrs. Kay Waterman
Tsidii Leloka - Sukeena
Yvonne Sciò - Actress Deanna Petrie
Jimmi Simpson - Kevin Bollinger


Sinopse:
Se tem uma coisa perfeita nesse filme é a história da casa. Todos os eventos que se passam contemporaneamente, no entanto, são dispensáveis.

Rose red, localizada em Seattle, é uma casa que foi palco de tragédias desde a sua construção, no início do século XX. A mansão foi construída por John P. Rimbauer como presente para sua esposa Ellen Rimbauer.

Durante um tempo eles viveram em paz com seus dois filhos April e Adam, e sua empregada Sukeena. Até o dia em que uma charlatã, numa sessão mediúnica, diz para Ellen que a casa não está concluída, e que só ficará pronta quando ela assim o disser. Ellen, ao que tudo indica, fica paranóica com a idéia, e passa a mandar construir um cômodo atrás do outro. Alguns inclusive idealizados por Sukeena, sua empregada e única amiga.

É a partir dessa época que a casa começa a demonstrar estranhos sinais. Homens apareciam mortos, mulheres desapareciam misteriosamente. A começar pela filha de Ellen, que inexplicavelmente sumiu aos 7 anos. Outra vítima seria uma famosa atriz que costumava freqüentar as badaladas festas oferecidas pelo casal. Além disso, outras tragédias viriam a fazer parte da história da casa, como o suicídio de John Rimbauer. Ellen nunca parou de construir a casa até desaparecer em 1950. Após isso a casa continuou “se construindo sozinha”, e os cômodos foram sendo multiplicados mesmo depois de abandonada.

Agora a casa está “adormecida”, segundo a professora Joyce Reardon, pois não há relatos de fenômenos ou desaparecimentos já há algum tempo. A situação de Joyce na universidade em que leciona é um tanto delicada. Sua predileção por temas não comprovados cientificamente fez com que seus colegas e superiores não a levassem a sério. Joyce acredita que Rose red é a resposta para seus problemas, e numa tentativa desesperada de mudar sua reputação, ela contrata 6 paranormais para acompanhá-la até a casa, no intuito de “acordar a mansão” e catalogar os fenômenos, podendo assim provar suas teorias sobre a paranormalidade.

Entre eles está a protagonista Annie Wheaton, uma autista de 15 anos, e a que tem o maior poder dentre todos. As habilidades de Annie foram responsáveis pelo afastamento de sua mãe, que teme a filha, e do pai, que culpa a menina pelo mal estar da família. Assim Annie foi basicamente criada por sua irmã, que aceita a proposta da professora Joyce porque pretende usar o dinheiro para colocar Annie numa escola para pessoas especiais.

Bom, como eu disse, os eventos contemporâneos são dignos de um filme meia boca, com destaque pras atuações que são em geral muuuito péssimas. Quem destoa do resto do elenco é o ator que faz Emery, o contraponto humorístico da trama, que consegue ser realmente divertido. Mas os diálogos são sofríveis. No entanto, algumas situações de assombração são muito tensas e bem feitas, o que adicionado à mitologia da casa, faz com que o filme não seja de todo dispensável.

Rose red é na verdade uma mini-série americana dividida em 4 partes. Sendo que foi lançada no Brasil em DVD duplo, transformando-se num entretenimento de 4 horas de duração. A série é baseada em obra de Stephen King e teve uma seqüência para TV em 2003. Trata-se de O diário de Ellen Rimbauer, que conta a história da casa e da família.

Conceito: c